Arquivos da Tag: Lideranças Políticas

"A história vai fazer justiça com Itamar Franco", diz ex-senador Pedro Simon

Meu colega Rodrigo Estramanho e eu conversamos hoje com o ex-senador pelo Rio Grande do Sul, Pedro Simon. A conversa faz parte das pesquisas do  Núcleo de Estudos em Arte, Mídia e Política (NEAMP), da PUC-SP, que realiza uma pesquisa científica intitulada Lideranças Políticas, com financiamento da FAPESP.

Um resumo da conversa de duas horas.

Em duas horas de conversa, Simon afirmou que a Operação Lava-Jato “é uma das melhores coisas que aconteceram na história do país”. Disse que “com tantos ‘nunca antes na história desse país’, nunca vimos tantos figurões sendo presos”. O ex-senador comentou o péssimo momento que o Rio Grande do Sul vive na sua política: “O Sartori (governador) não pode nem sair na rua que será apedrejado. Mas o Estado está um horror. É lamentável ver o Rio Grande assim”.

Aposentado da política (ele só concorreu ao Senado em 2015 por pressão do partido), agora percorre o país palestrando e “chamando os jovens para as ruas”, como ele mesmo disse. Para Simon, a história deve justiça ao ex-presidente Itamar Franco, “o melhor presidente que o Brasil já teve”.

Disse que a primeira vez que conversou com Collor percebeu que ali não haveria um presidente de fato. “Essas coisas tu percebes. Era só ele. Não tinha apoio. Eu só ouvia sobre ele que havia feito um casamento com ostentação”.

Entre as brincadeiras, Simon afirmou: “O Tancredo morreu e ficou em dívida conosco. Poderia ter feito muito. E, poderia ter levado o Sarney”.

Agradecemos ao assessor do ex-senador, Renato, que foi muito gentil conosco e nos ajudou na pesquisa para a PUC.

Financiadora da pesquisa: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP).

Coordenadora– Profª Drª Vera Lúcia Michalany Chaia – PUC-SP

 

Tags , , , , , , , , ,

Lideranças Políticas – ciclo de cinemas e debates

 

Semana passada assisti ao último evento do ciclo de cinema e debates sobre Lideranças Políticas. Depois de me perder na Vila Mariana, finalmente consegui achar a Cinemateca.  Achei uma pena não ter conseguido ir aos eventos anteriores, mas fui ao debate sobre A Permanência do Personalismo na Política Brasileira, com André Singer (que lançou recentemente ‘Os Sentidos do Lulismo’, livro que iremos debater no Grupo Política e Sociedade do Espetáculo na semana que vem), com a Cristina Maranhão (que estuda fotografia e política!!!), a professora Vera Chaia (coordenadora do Neamp juntamente com o professor Miguel Chaia) e o Renato Tapajós, diretor do filme Linha de Montagem, que foi exibido antes do debate.

Linha de Montagem trata do movimento grevista da década de 1970 do Sindicato dos Metalúrgicos no ABC e evidencia a formação do ex presidente Lula como líder sindical. Fica evidente que Lula sempre foi um líder. O filme mostra o nascimento do Partido dos Trabalhadores e um Lula disposto a negociar. É interessante como sempre passaram a imagem de um Luis Inácio radical e o que vemos no filme é um homem extremamente aberto ao diálogo.

O documentário é uma  oportunidade de analisar o surgimento de um movimento social, que contribuiu para o fim da ditadura e deu origem a um novo partido, o PT, que como o próprio André Singer disse, mudou muito, principalmente de 2002 para cá.
Imagens das assembléias do estádio de Vila Euclides, em São Bernardo do Campo, às vezes lotadas com cerca de 100.000 operários, são uma prova da força das manifestações. Isso num momento em que ainda estava em vigor a ditadura militar, que usava contra os líderes grevistas instrumentos como a Lei de Segurança Nacional, que levou o próprio Lula à prisão. O debate terminou às 23h e eu consegui voltar inteira para casa, dessa vez, sem me perder.

Tags , , , , , , ,