Arquivos da categoria: brasil

Mais de uma luz

**Artigo do meu amigo e grande jornalista, Eduardo Balduino.

Um professor da Universidade de Brasília causou uma polêmica, ao criar, em fevereiro de 2018, uma disciplina na cadeira de Ciência Política, com o título “O golpe de 2016 e o futuro da democracia no Brasil”. O que poderia ser uma bela oportunidade de se estudar esse turbulento período da vida brasileira, se perdeu no sectarismo do professor, que criou a matéria para tentar validar a teoria de que o impeachment da presidente Dilma Rousseff teria sido um golpe institucional, comparando-o ao que aconteceu em 1964.

De acordo com várias reportagens feiras sobre o tema “a disciplina pretende analisar a “ruptura democrática” com o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, a “agenda de retrocessos” imposta pelo governo Temer e ainda discutirá elementos como a Lava Jato e a ascensão do “parafascismo” no país”.

E uma de suas edições de fevereiro deste ano, o The Intercept Brasil, portal de notícias novo e bem crítico – com inteligência -, traz uma matéria deliciosa intitulada “Pantera Negra leva “público exótico” ao Shopping Leblon”. Assinada pela repórter Juliana Gonçalves, a matéria mostra um grupo de quase 50 pessoas negras que – aspas da repórter – “participavam do rolezinho preto” para assistir ao filme onde a imensa maioria dos atores é negra. Juliana fez o título de sua matéria a partir do depoimento de uma senhora branca que estava no cinema. “Que diferentes. Exóticos”, disse a senhora.          Pois, possivelmente sem ler toda a matéria, nas redes sociais uma minoria barulhenta acusou Juliana de racismo e de “fazer parte da elite branca do Leblon” por causa do título da matéria, aspa de uma senhora lebloniana que foi evidentemente explicada no texto logo na primeira linha.

A questão é que a Juliana Gonçalves é negra, do subúrbio carioca, pobre que só conseguiu se formar em Jornalismo pelo sistema de cotas. Ela não costuma ir ao shopping do Leblon porque, como disse a seu editor, “sente um estranhamento por parte das pessoas”, toda vez que vai lá.

No dia 24 de janeiro deste 2018, o Tribunal Regional Federal da 4ª. Região – agora intimamente citado por todos, nas ruas, nas favelas, nos botecos e até nos altos círculos sociais e políticos como TRF4 – condenou, por unanimidade, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a 12 anos e um mês de prisão – aumentando a pena de nove anos e seis meses dada pelo juiz Sérgio Moro -, pelos crimes de corrupção passiva e obstrução da justiça.

Naquele dia eu estava em um café de Brasília e na hora em que a sentença foi dada, com transmissão simultânea pelas redes sociais, um murmúrio de lamentação preencheu o ar do café, enquanto foguetório em vários pontos da cidade celebrava a notícia.

Depois de esgotados todos os recursos possíveis, em todas as instâncias, até o STF, contra a sentença proferida pelo TRF4, o ex-presidente Lula foi preso no dia 7 de abril. Foi um sábado cheio de suspense, protagonizado por militantes do PT em volta do sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, em São Bernardo do Campo, onde Lula se instalou desde o início de sua prisão até o desfecho final, sua viagem para Curitiba.

Os militantes não pouparam ninguém de sua ira contra o cumprimento de uma ordem judicial – não foi uma ordem judicial qualquer, mas era judicial. A violência com que protestaram contra a prisão de seu líder alcançou, indistintamente, a quem não era do lado deles. E isso incluiu jornalistas que estavam trabalhando, ou seja, trabalhadores da imprensa cumprindo o seu papel, justificando seus salários, sua sobrevivência como todo trabalhador.

Esses episódios trazem, em seu bojo, fenômeno social já identificado, mas ainda não percebido em toda a sua perigosa extensão. O professor universitário – e até seus críticos -, os detratores da jornalista Juliana, os manifestantes sobre a sentença dada a Lula e os militantes que tentaram impedir a prisão do ex-presidente – e os que soltaram foguetes comemorando o fato -, não são capazes de debater e de promover com argumentos aquilo que defendem. Eles simplesmente estão a favor ou contra. E simplesmente atacam, agridem – já não tão apenas com palavras – os que os contestam; e estes também já não contestam simplesmente, agridem.

Muito já se discutiu sobre as razões do debate político no Brasil ter se transformado num “Fla-Flu”, com todos os componentes irracionais que incendeiam a torcida por um time de futebol. Nunca vou admitir que o meu time jogou mal e mereceu perder: a culpa sempre será do juiz… E essa discussão não chegou a lugar algum; ela apenas institucionalizou, validou o intransigente “eles contra nós”.

Uma pessoa intransigente, ensinam os dicionários, “é caracterizada pela sua rigidez emocional e comportamento austero, sendo incapaz de tentar enxergar determinada situação, por exemplo, a partir de um ponto de vista diferente daquele que acredita”.

Essas pessoas não alcançam ou não aceitam, talvez por ignorância (no seu sentido latu), a diversidade que conforma o mundo. Por isso não aceitam pontos de vista, ideias ou culturas diferentes dos seus. São intolerantes.

A intolerância já é estudada pela ótica da saúde mental. É, digamos assim, diagnosticada como uma atitude mental caracterizada pela falta de habilidade ou vontade em reconhecer e respeitar diferenças em crenças e opiniões. Num sentido político e social, intolerância é a ausência de disposição de aceitar pessoas com pontos de vista diferentes. Importante: a intolerância não distingue ideologias.

Uma demonstração latente e de fácil percepção de intolerância sempre foi a que se manifesta junto às religiões. A liberdade de expressão garante a todos o direito de manifestar as suas opiniões sobre determinado assunto, incluindo a incluindo a religião, às diversas religiões. A intolerância religiosa se manifesta quando a pessoa age com indiferença, violência ou de qualquer outro modo que fira a dignidade de quem professa e defende uma religião diferente da sua. Hoje, no entanto, o campo político está primordialmente marcado pela intolerância mais violenta.

Quando o ser humano não se permite admitir a existência de “mais de uma luz”. Quando não nos permitimos conhecer o que existe na outra margem do rio, que pode ser bom ou ruim, mesmo que simplesmente diferente. Na hora em que caminhamos para as verdades absolutas, que só têm título, o conteúdo já não é relevante. Nesse momento estamos, espontânea e perigosamente, nos deixando dominar pela paixão cega que leva alguém a extremos em favor de uma verdade, a sua, que tem como única e incontestável.

Os extremos em favor de uma religião, doutrina, partidos e líderes políticos são atos de violência. É o fanatismo.          Um fanático, na lúcida, profunda e consentânea visão de Amós Oz, quando considera que algo é ruim – e tudo que é contra o que ele defende é, a princípio, ruim -, seu dever é liquidar imediatamente “aquela abominação”.          O título deste artigo é título do mais recente livro de Amós Oz editado no Brasil, pela Companhia das Letras. São três artigos revisados deste romancista que é considerado um dos mais importantes e poderosos ensaístas da atualidade. Nascido em Jerusalém, ele é definido por Nadine Gordimer, prêmio Nobel da literatura, como “a voz da sanidade emergindo da confusão, da mentira, do balbucio histórico da retórica mundial a respeitos dos conflitos atuais”.

Amós se aprofunda nos conflitos entre Israel e seu entorno e, em seu estudo sobre fanatismo, transcende sua visão do Oriente Médio para o resto do mundo. E a carapuça cabe com muita exatidão no Brasil.

A cinco meses das eleições, a conexão desses perfis psicológicos com o quadro que se aprofunda nas relações interpessoais no Brasil, que avançam por todos os ambientes de convivência humana, notadamente na política, na religião e nos costumes, indica uma preocupante evolução para o fanatismo.

Já há quem aposte, já há quem tema, já há quem defenda que o fanatismo seja o signo dessas eleições. É o pior que pode acontecer. O fanatismo é o maior inimigo do projeto de Nação. E o que o Brasil mais precisa é de ter um projeto nacional.

 

**Originalmente publicado em Carta Pólis.

Tags , , , , ,

Steve Wozniack e Neil Patel em POA: minha perspectiva

O Steve Wozniak, Cofundador da Apple, e Neil Patel, Cofundador da Crazy Egg, Hello Bar e KISSmetrics estiveram na noite de quinta-feira, 6 de julho, na PUCRS. Eu fui ver, obviamente. Abaixo, um relato da minha perspectiva. Enjoy it!

Woz , Patel e a paixão pela criação

Foi com auditório lotado por mais de duas mil pessoas que Steve Wozniack, cofundador da Apple, e Neil Patel, cofundador da Crazy Egg, Hello Bar e KISSmetrics, falaram sobre empreendedorismo, sucessos e também fracassos nos negócios. Em comum, o bom humor.

Neil Patel, em meio à explicações de como fazer seu blog ter milhares de seguidores e ganhar dinheiro com isso (case que ele entende muito bem) conta que a grande promessa de sua família era sua irmã. “Se eu tirasse um 9  uma prova, meus pais falavam que poderia ter sido 10. Se eu tirasse 10, eles falavam: ‘ok, mas sua irmã é mais inteligente’”. Hoje, a irmã de Neil Patel trabalha para ele.

Patel, um dos dez melhores profissionais de marketing da atualidade de acordo com a Forbes, explica que a busca por conhecimento foi o que lhe fez “estar apto para vir aqui hoje e contar um case de sucesso”. “Meu objetivo nunca foi ganhar dinheiro. Foi sempre aprender o máximo que eu pudesse e fazer algo com isso”. E elogiou o brasileiro, que segundo ele, “é muito inteligente”. “O Brasil daqui a cinco anos será completamente diferente”.

O cofundador da Crazy Egg contou que em seu primeiro investimento perdeu todo o dinheiro, justamente por falta de informação. Decidiu que a partir dali, não pararia de estudar. “Conhecimento sobre seu público, sobre quem trabalha para você, sobre o que você quer é o que vai diferenciá-lo de todo o resto”. E, encerrou: “entendam: o dinheiro está em quem diz ‘não’. E só o conhecimento irá fazer você entender quem diz ‘não’”.

Com um pouco mais de pompa e ao som de “We will rock you”, Steve Wozniack entrou no auditório da PUC/RS como a estrela que é. Disse que teve sorte por sempre gostar de componentes eletrônicos num momento em que isso se fazia necessário no mundo. “Fomos visionários, mas também estávamos com a ideia certa no momento certo” (alguém lembra de Malcom Gladwell nesse momento?).

Com o bom humor característico, Wozniack divaga sobre computadores, sobre a Apple e sobre o mercado. Por três vezes levou a plateia aos risos ao falar: “qual era a pergunta,mesmo?”.  Prerrogativa de quem mudou a história.

Defendeu Tim Cook como o primeiro empreendedor a equiparar salários entre homens e mulheres e defendeu também a Apple pós- Steve Jobs. “Todos acharam que a Apple morreria com Jobs. A verdade é que enquanto os preocuparmos em fazermos máquinas para o bem das pessoas, a Apple estará viva”.

Aproveitou e alfinetou a classe política: “os anos passam e você não entende as motivações dos políticos. Mas esses anos passam e você vê desenvolvedores de softwares e engenheiros mudando o mundo, levando a humanidade para frente. Eu acredito que é a verdade de um desenvolvedor que vai levar a gente para outro nível”.

Para o cofundador da Apple, a maioria das empresas no mercado sobrevive das informações que os usuários oferecem num clique. A Apple sobrevive protegendo as informações. “Se Amazon, Google, Facebook vivem dos meus cliques é justo que eu receba um pagamento por isso também”, disse, arrancando risos da plateia.

Ao ser questionado sobre o que pode dar certo como empreendimento nos dias atuais, Wozniack desabafa: “não sei se posso responder a essa pergunta. A verdade é que eu nunca quis dinheiro. Sempre quis criar, então não consigo pensar nas coisas dessa forma”.

Wozniack esclareceu a notícia de que a Apple estaria se tornando a Microsoft. Atirou que se a empresa realmente estivesse investindo no ramo dos carros autônomos, que deveria então desenvolver não só o software para os veículos, mas todo o automóvel. “Os boatos eram de que  a Apple faria apenas o software e isso é o que a Microsoft sempre fez, é o jeito deles, de ceder a licença apenas do software. Nós não, nós criamos o hardware e o software para que a experiência seja satisfatória. Eu nunca gostei do Windows”, diz o cofundador da Apple que teve sua paixão pelo Android. “Eu usei Android. Mas aí o Iphone 6 me fez mudar de ideia”.

A palestra foi uma parceria entre a Escola de Negócios da PUC-RS e o Uol Edtech.

Tags , , , , , ,