Intelectuais e imprensa em momentos de radicalização política 1964/2015

A Vivian e eu apresentamos ontem, na cásper, no III Seminário Cultura e Política na Sociedade do Espetáculo, nosso trabalho sobre momentos de radicalização política. Pesquisamos muito, conversamos com diversos escritores (Carlos Heitor Cony, Ferreira Gullar, Frei Betto, Alberto Dines e Juremir Machado), viajamos, cansamos, mas valeu a pena. O primeiro passo foi dado.

cultura

Acho que conseguimos passar um pouco da nossa experiência com esses mestres. Todos: Cony, Gullar, Frei Betto e Dines, afirmam que a imprensa era melhor em 1964. Exceto o Juremir machado, que diz que hoje ela está menos verborrágica, mais enquadrada, apesar de continuar com o “viés golpista”.

Juremir nos disse que em 64 a imprensa falava muito e dizia pouco e que hoje está mais objetiva e direta, apesar de ainda muito presenteísta.

Nenhum deles acredita num golpe para depor a presidente. Acham que o Brasil já teve essa experiência, ela não foi boa, e a presidente, além de tudo, foi reeleita democraticamente.

Sobre apoio a ditadura: Dines afirmou que nenhum deles sabia o que viria a seguir da queda de Jango, e que depois que perceberam onde estavam, resolveram reagir. Juremir disse que sabiam, sim, tanto que o jornal Última Hora desde o princípio foi contra o golpe.

Bom, esse é apenas um resumo. Em breve o texto completo estará disponível.

Tags , , , , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *